Descrição: Quando foi lançado nos Estados Unidos, no ano passado, O Diabo Veste Prada provocou frisson no mundo fashion. De forma ficcional, é verdade, ele alfineta Anna Wintour, a todo-poderosa-amada-e-odiada editora da revista Vogue, a bíblia da moda americana. Sua autora, a jornalista Lauren Weisberger, trabalhou como assistente de Anna entre os anos de 1999 e 2000. Sentiu na pele que esse fascinante universo de Armanis, Pradas e Guccis não é tão glamouroso assim. Mas achou uma forma de ganhar dinheiro e, embora não admita, se vingar escrevendo uma obra em que os personagens e fatos são facilmente identificáveis por quem conhece o métier. Divertido e diabólico como uma boa fofoca, o livro ganhou resenhas nos mais sérios jornais e revistas do país e teve seus direitos para o cinema adquiridos por Wendy Finerman, o mesmo produtor de Forrest Gump. Na lista dos mais vendidos desde abril de 2003, já foi publicado em 27 países e chega às livrarias brasileiras neste mês.

Quem não conhece as idiossincrasias da turma da moda terá dificuldades em acreditar nas desventuras da heroína Andrea com a chefona Miranda. No emprego desejado "'por 1 milhão de garotas", Andrea é maltratada do começo ao fim do livro. Trabalha numa revista que fiscaliza até o número de calorias que ela consome em cada refeição. Como se vê, a ditadura da magreza não se restringe às passarelas. O fato de ter à disposição um guarda-roupa abarrotado de grifes não diminui seu martírio. Por sua vez, Miranda é retratada como uma pessoa esnobe e arrogante, que não se digna a pendurar o próprio casaco. Na lista das barbaridades, leva a subordinada a conseguir uma cópia antecipada do último livro de Harry Potter e despachá-la em avião particular para as filhas em Paris. Nunca deixa menos de seis ordens no telefone de Andrea durante a madrugada. E a obriga, diariamente, a comprar café e levar sua roupa para a lavanderia.
Como diretora da Runway, importante revista de moda, Miranda usa e abusa do poder.

EM BREVE

Posts Relacionados por Marcador: